Ana Telma Fotografia – moments & stories » Fotografia de Família e Casamentos

Como tudo começou

Há muito tempo que eu queria fazer esse post. Pensava nele em datas especiais como dia das mães, aniversário dela, fim de ano, início de ano… Mas ia adiando pela sempre constante falta de tempo, por surgimento de uma ideia mais bacana ou simplesmente por vergonha de mostrar essas fotos hoje em dia! rs Então hoje, resolvi postá-lo, porque se trata de um recomeço. (Na verdade, essa parte da vergonha é mentira. Esse foi meu primeiro ensaio e olha… Me orgulho muito dele! :) Mas deixa eu contar com calma como foi essa história…)

Comecei a estudar fotografia em 2008, depois de vários amigos falando que minhas fotos eram muito boas, criativas, etc. Em setembro de 2009, minha então cunhada, a Bianca, praticamente me intimou a fazer as fotos de grávida dela. “Mas Bianca, eu nunca fotografei ninguém!” “Não interessa! Você vai fazer! Se não for você, não vou fazer.” E lá fui eu, com um peso enorme nas costas, tentar descobrir como se fazia foto de gente. Logo eu que só gostava de fotografar meus gatos e florzinhas. Isso a praticamente uma semana do parto dela. Pressão? Que isso?!

Na época, o que eu conhecia de fotografia era estúdio e flickr. Então fui eu lá catar referências. Poses a fazer, tipos de roupas, como construir um mini estúdio super improvisado, luz, etc. Tracei um plano: baixei mil fotos na internet, chamei duas amigas para me ajudar a fotografar no dia, pedi a uma outra que tinha uma loja de roupas para gestante que me emprestasse uns figurinos (Obrigada, Tatá! ♥), pedi emprestado dois postes de luz halógena de 1000w (sim, vocês leram certo. Fotografei meu primeiro ensaio com luz de vídeo amarela, contínua, rebatida no teto, fazendo com que minha sala virasse um imenso microondas ligado durante um dia inteiro!), comprei alguns metros de brim branco para o fundo, alguns outros metros de tecidinhos estampados e lisos para ela usar além dos figurinos (pq lembram? ESSA era a minha ideia de fotos de gestante… rs) e construí um suporte para fundo infinito com canos de PVC. A vida era boa no mundo das gambiarras! ♥ rs O que eu tinha era uma câmera Fuji S9100 (ou 9600). Nem flash eu tinha.

Fiquei muito orgulhosa da minha parafernalha toda e mais ainda orgulhosa quando ela chegou e exclamou “Nossa, não sabia que ia ser um negócio profissional!” KKKKKKKKKKKKK Gente, é sério! Tô me acabando de rir aqui lembrando! rsrsrs Mas, como eu disse, minha pura ingenuidade me fez muito feliz. :)

Vamos começar a ver algumas das fotos desse dia e eu vou contando mais…

Além de fotografar, eu também fiz a maquiagem da Bianca, ajudei a escolher as roupas, emprestei acessórios e… ah! Fiz o almoço pra gente! rs Ficamos o DIA TODO fazendo as fotos. Tipo das 10h às 18h.

Percebam que eu não sabia: a) NADA de iluminação. b) NADA de direção (dei muita sorte pois eles já haviam sido fotografados por um fotógrafo profissional e sabiam fazer todas as poses!) c) NADA de pós-produção…

Mas ainda assim… Não posso negar que essas imagens mexem comigo… Foi o meu primeiro ensaio, da primeira gravidez dela, começando uma família… Foi aí que foi plantada uma sementinha no meu coração.

Mas o mais legal que eu percebo, olhando hoje essas imagens, é ver que o meu gosto como fotógrafa quase não mudou. Aprendi técnicas – de direção, de pós-produção, de iluminação, etc. – mas as imagens que eu mais gostei desse ensaio seguem um padrão que mantenho até hoje. Gosto das fotos que tem as expressões mais verdadeiras e espontâneas, que trazem o sentimento, que tentam mostram um pouco do que significou aquele momento na vida daquela família.

Agora… Percebam a minha brilhante primeira assinatura em fotos! \o/ rsrsrsrs

Sim, por pouco eu não me tornei “Ana T Fotos” rsrsrsrs

No fim do dia, desligamos os “holofotes” e descobrimos que, além da nossa caixa iluminada, já estava noite lá fora. Cansados, eles foram pra casa e eu desabei no sofá.  Para mim, a mágica mesmo aconteceu no dia seguinte. Íamos nos encontrar em um almoço e eu já queria levar algumas fotos para ela ver. Sentei no computador de manhã cedo e escolhi algumas fotos que gostei mais. Coloquei no Windows Movie Maker para fazer um slideshow com música. Meu senso crítico era tão bom que eu precisei de três músicas para alocar o tempo de slideshow com todas as fotos que eu escolhi… rs E, ainda assim, ficou sobrando meia música sem foto no final, porque né… eu não tinha a menor ideia de como mexer naquilo… rs

Ainda em casa, vendo as imagens, eu me lembro de pensar “Caramba… Como é legal isso! Não é que algumas ficaram bonitas?” Eu ainda não sabia o que era aquele sentimento. Mas senti que alguma coisa tinha ali. Eu sabia que eu tinha gostado.

Cheguei no almoço, falei com ela que tinha levado algumas fotos, me expliquei e pedi desculpas a todos porque né… eu nunca tinha feito isso – nem fotografar pessoas e nem um slideshow. Coloquei o note em cima da mesa com as fotos e a música. A Bianca parou para ver e mais algumas pessoas atrás também. Ninguém conseguia tirar os olhos da tela. Nem eu. Eu ouvia os funguinhos dela e não conseguia olhar pro lado. Quando eu consegui, meus olhos estavam cheios d’água e ela já chorava de as lágrimas escorrerem pelo rosto. “Ficou lindo, Ana!” Foi o que ela me disse – além de outras pessoas – e eu acreditei. Acreditei que eu podia fazer aquilo. E ali eu entendi. Entendi o que era eternizar um momento para uma família. Entendi o prazer que era poder proporcionar aquilo para outras pessoas. Entendi o que outras pessoas fizeram pela minha família ao fazer aquele monte de fotografia que moram numa caixa de papelão na casa minha avó. E eu entendi – eu tive certeza – que era aquilo que eu queria fazer pro resto da minha vida. ♥

Depois disso, foi muito estudo, muitas noites sem dormir, muita pesquisa, muitas noites acordando cedo, muita busca por quem eu sou. Que não para e não vai parar nunca.

É cumadre… Eu posso ser Dinda da sua filha, mas na minha carreira… você que é a minha madrinha! ;) Obrigada pela força, pelo empurrão, pela disponibilidade, paciência, amizade e, sempre, por tudo! ♥

***

Se você quer ser fotógrafo, não pense que é fácil. Mas também não tenha medo de começar por achar que é difícil. Pegue o que você tem nas mãos e faça. Aja de acordo com o que tem no seu coração e com o que você acredita. Coloque sua alma naquilo que você está fazendo. Peça e a resposta virá. Acredite em mim. Se eu consegui, você também consegue. ;)

  • Aline - 30 de maio de 2013 - 19:35

    Nossa, lembro que minhas primeiras fotos tinham um tratamento tããão ruim! haha Olhando agora era tudo muito estranho, dá até peninha das pessoas que fotografei! Sorte que no inicio, é treino e a gente não cobra né? Mas mesmo assim, aqui nessas fotos já se percebe que você tinha um carinho pra coisa, que tinha uma visão sensível sobre os fotografados. :)
    Você disse tudo! Faz parte do crescimento a evolução, é um caminho, um processo, e está ali, disponível pra quem tem força de vontade de ir atrás e persistir sempre!
    Te desejo todo sucesso do mundo! Mega saudades! ;*ReplyCancel

    • Ana Telma - 3 de junho de 2013 - 11:43

      Amei, Aline! ♥ Obrigada pela força e também tô com mega saudades! ;)ReplyCancel

  • Maria Ligia - 31 de agosto de 2013 - 13:06

    Oi Ana. Estou aqui viajando e ao abrir o Facebook me deparei com o seu post anunciando o site e comentei com uma amiga que se eu tivesse que escolher alguém para fotografar algum momento importante meu, com certeza seria você, porque desde que eu te conheço eu vejo o carinho com que você faz as coisas, e cada ensaio novo o carinho com que ele é feito.
    Lendo esse post se tem mais uma demonstraçäo disso e de que você tem a rara percepção de como o seu trabalho faz parte dos melhores e maiores momentos da história das pessoas.
    Parabéns por toda sensibilidade, por emprestar isso ao seu trabalho incrível e desejo que você tenha cada vez mais sucesso, que com certeza virá como espelho de tanto amor que você dedica.
    Saudades de você! Beijos.ReplyCancel

Seu email nunca será publicado ou compartilhado. Os campos marcados são obrigatórios *

*

*